Café!Café!Café!

Um blog sobre… o que mesmo?

Ritalizando

 

Sabe a senhorinha Jones Carvalho? Digo, a Ritz, ou melhor, a Rita Lee? Pois é, ela é tudo, menos senhorinha. 🙂

Essa cantora, além da assombrosa jovialidade, é extremamente contundente e transbordante de autenticidade. E, apesar de não saber se ela gosta ou não de café, “Desculpe o Auê”,  mas vou na “Linha e na Lei” debruçar-me em suas cantorias e dar “Tratos à Bola” para explicar com suas letras e títulos de música, a diferença entre “O Bode e a Cabra”, digo, entre o café e o Café. Então, “Vamos voltar ao Princípio que lá é o Fim”.

Vocês já sabem que o Café (com C maiúsculo) é a “Paixão da Minha Existência Atribulada” nesse “Paradise Brasil”, certo? Mas algumas coisas no mundo do café não tem explicação. Ou tem explicação demais e ninguém quer ouvir. Um “Caso Sério”…

Eu hoje represento a cigarra
Que ainda vai cantar
Nesse formigueiro quem tem ouvidos
Vai poder escutar meu grito!
“Luz del Fuego”, de Rita Lee

Vamos aos fatos: cerca de 90% dos brasileiros são enganados todos os dias ao tomar sua xícara de café, pois o “café” que vai para sua goela não é exatamente[1] Café.

“A inocência não dura a vida inteira.
Brinque de ser sério, leve a sério a brincadeira”
“Me Recuso”, de Rita Lee & outros

Então, só para efeito de associação de ideias, vamos comparar a sua pessoa com o café tradicional:

1) Foi ensinado a você que enganar/ mentir/esconder a verdade era FEIO, não foi?

2) Na escola, para você ser considerado um BOM aluno com “aproveitamento mínimo” e passar de ano (teoricamente) era necessário tirar média entre 6, 7, às vezes até 8, não era?

3) Alguém te ensinou que se PERDE PONTO na prova se não colocar a “resposta certa”, aquela que condiz com o que era estudado e considerado como fato, certo?

Agora explico a “Farsa”:

1) O “café” tradicional engana/ mente/esconde a verdade: ele não é café simplesmente porque fruta podre, verde e bichada não é fruta, é algo “não consumível”. Fruta que caiu do pé e foi “varrida” junto com terra, folhas e galhos, hummm, delícia não é? (SQN). Sem contar os funguinhos e mofinhos que grudam nessas coisas ai (que ainda insistem em chamar de café) e que não “morrem” nem com a super-torra-preta-quase-carbonizada, atualmente ainda o “padrão brasileiro de torra [malfeita]”. No geral, o cafezinho bem preto que você toma é tudo isso de ruim. Dai que o café tradicional é um FEIO (nos dois sentidos!)! “E Você Ainda Duvida?” Vai Aqui, Ali, Em Qualquer Lugar (Rita Lee)

Separe o joio do trigo
O Maquiavel do seu amigo
“Obrigado, não”, de Rita Lee

2) O “café” tradicional que o brasileiro toma não passaria na escola: na escala de zero à 10 ele não tira nota maior que 5, ficando no mais das vezes em  4,5. Então ele não é BOM, uai. Bota ele na recuperação, tia ABIC!

A bruxa está solta
Não dê moleza
Ela pode estar na mesa
“Yo no creo pero”, De Rita Lee

3) Dentro da sua embalagem de “café” tradicional pode estar contida mais de uma variedade e menos do que a quantidade em gramas desses mesmos grãos torrados e moídos descrito na quantidade da embalagem, não estando nenhum destes dados descritos no rótulo da mesma (Conheça a ‘incrível’ e permissiva “Resolução SAA-19″ promulgada com a benção da ABIC e endosso da ANVISA e do INMETRO). Então, para mim ele PERDE PONTO por ”não saber” o que colocar descrito pro povo ler. “Benzadeusa”!

E pensar que eu passei todo esse tempo
Investindo no meu know-how
E pensar que eu quase me danei
Apostando no meu background
“Ando Jururu”, de Rita Lee e Kiko Zambianchi

Ok, depois desse “Choque Cultural” vem a pergunta: Como é que você sofreu tanto para ser certinh@ quando era criança e os outros, fazendo as coisas erradas, se safam tão facilmente desse jeito?

Já reparou que o “café” tradicional só existe na forma torrado e moído, NUNCA na forma em GRÃOS? Ok. Então, se não é verificável inicialmente pelos olhos, fica valendo a lei do o-que-os-olhos-não-veem-o-coração-não-sente? Quando foi que o povo brasileiro aceitou tal coisa? Tá assinado onde?

Segundo as alíneas II e III, do sexto parágrafo da Seção III e no artigo 31 da Seção II do Código do Consumidor, a LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990, (se considerarmos tal lei LEI bastante para INCRIMINAR quem nela incorre), o “café” tradicional, seja ele de que marca for, já surge no mercado como infrator!

Aqui no Brasil nosso senso, legal e prático, de “alimento seguro” (a garantia de que o alimento é aceitável para o consumo humano de acordo com seu uso esperado) e de “segurança alimentar” (a confiança do consumidor em receber um alimento que não lhe cause riscos à saúde) é quase inexistente por parte tanto das indústrias, quanto dos fiscalizadores, e até do próprio consumidor. Por isso vamos seguindo essa bagunça, confiante que, quanto mais ignorante do fato o consumidor for, melhor para os negócios (infelizmente nada bom prara a saúde publica…). E tem associação por ai “batendo no peito” dizendo que é assim mesmo, “que é questão de mercado”, “que o povo isso e o povo aquilo”…

Dizem que por conta da tal ética, eu não posso citar nomes, fábricas, marcas, torrefadoras, associações…

Ai, ai meu Deus
O que foi que aconteceu…
Quando a gente fala mal
A turma toda cai de pau
Dizendo que esse papo é besteira…
“Arrombou a festa”, de Rita Lee

Mas uma lida nos documentos publicados no site da ABIC e não te restarão dúvidas. Ou então me pergunte como você pode evitar não ser enganado da próxima vez que comparar seu pacotinho de café.

Desde o Oiapoque
Até Nova York se sabe
Que o mundo é dos que sonham
Que toda lenda é pura verdade…
“Atlântida”, de Rita Lee

Ficou na dúvida? Então, segura essa… uma foto vale mais do que mil palavras…

cafe bom ou ruim

Mas enfim, a maioria do povo brasileiro vai continuar passando aquelas amofadinhas de qualquer-coisa-menos-café na registradora do mercado e vão continuar dizendo ao preparar  “hummm, que cheirinho de…blleerrggtthh”

Dá licença, mas eu vou sair do sério
Quero mais saúde!
“Saúde”, de Rita Lee

Bem eu falei do bode, para falar da cabra, isso é do Café Especial, vou remoendo e “Divagando” para um próximo post…

Amor eu já tenho,
Saúde também.
Trabalho não falta,
A família vai bem.
Amigos são poucos, não devo a ninguém.
Sou um bom brasileiro
De precisar mesmo
Eu só preciso… Dinheiro

“Dinheiro”, de Rita Lee

rita lee caricatura

[1] A palavra EXATO significa “sem erro, perfeito, irretocável, que tem rigor, precisão”

 

_______________________

Texto original de Moni Abreu.
Ao repostar, favor citar a fonte e a autora.

 


Deixe seu comentário

Nome
Email
Web site
Seu comentário

*